Câmara suspende reuniões ordinárias das terças-feiras

Os vereadores trabalharam obedecendo a distãncia  Os vereadores trabalharam obedecendo a distãncia Ascom/Câmara

Vereadores de Montes Claros realizaram nesta terça-feira (24/03), a última reunião presencial ordinária. O retorno à normalidade ocorrerá após o fim da pandemia da Covid-19.


A decisão baseia no Decreto de restrições, determinado pelo Governo Federal, que visa diminuir os riscos de contágio do Novo Coronavírus.


O presidente da Casa, Marcos Nem (PSD), explicou que a decisão tomada visa resguarda a saúde dos parlamentares e servidores, alguns com mais de 60 anos, outros portadores de doenças crônicas. Salientou que a medida ainda respeita o Decreto do Executivo, que proíbe pessoas com mais de 60 anos a circular pelas ruas, salvo em extrema necessidade.


Ele explicou que a Câmara estava fechada para o público, agora está também fechada para os servidores. Alguns estão de férias, outros vão continuar o trabalho em casa e um plantão será mantido. O serviço dos parlamentares continuará: os vereadores e assessores terão acesso aos gabinetes, para fazer algum trabalho, mas não vão poder permanecer no local. O atendimento ao público será feito via redes sociais, por isso, estamos divulgando os números dos telefones e whatssap dos parlamentares e assessores.



REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA


Se for necessária uma discussão e votação de projetos de interesse da comunidade, um projeto urgente, a Câmara fará uma convocação para reunião extraordinária.

PROJETO RETIRADO DE PAUTA


Na reunião desta terça-feira (24/03), o projeto de autoria do vereador Wilton Dias (PHS), foi retirado de pauta.

O mesmo instituía a obrigação agências bancárias, restaurantes, lanchonetes, padarias, supermercados, comércio em geral, cartórios de registros e concessionários de serviços públicos de disponibilizarem álcool em gel para os clientes e usuários durante a Pandemia do Coronavírus.


Wilton Dias explicou que, quando o protejo entrou para análise, o prefeito não havia divulgado o Decreto com estas obrigações. Como o projeto já estava em pauta, foi necessário retirá-lo oficialmente, já que não seria mais necessário.

 

Publicada em 24 de março de 2020