Saúde apresenta relatório de serviços à Câmara

Saúde apresenta relatório de serviços à Câmara Ascom/Câmara

 

A Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros, que tem contabilidade própria, também prestou conta nesta sexta-feira (28/2), à Câmara de Vereadores, o terceiro relatório detalhado do quadrimestre anterior. De acordo com a equipe técnica, a receita da pasta para o período foi de R$ 398.357.932,00, enquanto a despesa liquidada foi de R$ 381.192.057,16.


Na apresentação, a Saúde explanou os números de procedimentos realizados na atenção básica, dando um total de R$ 1.870.198, além das obras realizadas e em andamento no município.
Na média complexidade foram feitos, de acordo com o relatório apresentado, 675.875 procedimentos com finalidade diagnóstica como ressonância, endoscopia, teste rápido e coleta de material (eletivo e urgência).


Na alta complexidade, a Saúde realizou no período o total de 4.187.150 procedimentos ambulatoriais como radiologia, tratamento oncológico, tomografia, coleta de órgãos para transplantes, ressonância magnética. Foram realizadas 42.260 autorizações de internações hospitalares.


Sobre o repasse de recursos para o SAMU, questionado pelo vereador Idelfonso Saúde (MDB), a secretária Dulce Pimenta informou que o repasse está sendo feito mensalmente, mas no valor que era pago em 2016.

Ela explicou que em 2017 o valor dobrou e quando questionado o motivo, foi informada que o acordo teria sido fechado em 2016, com prefeitos da região da administração passada e o motivo seria o não repasse do que era devido pelo Governo Estadual.

Entendendo que a prefeitura não poderia arcar com a inadimplência do Estado, a Secretaria de Saúde acionou a Justiça, passando, então, a pagar apenas o valor de 2016.

O vereador Wilton Dias questionou sobre os recursos das emendas parlamentares que não entraram na prestação de contas da prefeitura. A secretária informou que por ser gestão plena, o recurso vai direto para os cofres da saúde, que repassa para o que foi destinado e fiscaliza o uso da aplicação.

O vice-presidente da Casa Legislativa, Soter Magno (PP), cobrou aplicação de recursos numa efetiva política pública de proteção animal. Ele lembrou a parceria feita com as ONGs, mas destacou a necessidade de ver a proteção animal como prioridade. O parlamentar elogiou a atuação do Centro de Controle de Zoonoses, mas pediu um empenho maior no combate à leishmaniose.

O vereador aproveitou para anunciar a criação Conselho Municipal do Bem-Estar Animal e o Fundo de Bem-Estar Animal. A exemplo do Codema e do Fundo ambiental que existem em Montes Claros, o Conselho e o Fundo de Bem-Estar Animal vão acompanhar e trabalhar as políticas públicas de proteção animal. Soter acredita que esse poderá ser o caminho para dar aos animais de Montes Claros, o tratamento e cuidado adequados.

 

 

Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Montes Claros

 

Publicado em 28 de fevereiro de 2020