Recapeamento volta a ser pauta em reunião ordinária

  Recapeamento volta a ser pauta em reunião ordinária Créditos: Gazeta

Situação precária em ruas da cidade chama a atenção do legislativo de Montes Claros. Os vereadores Ailton do Vilage (PHS), Doutor Valdivino ( MDB), Idelfonso Saúde (MDB) e Valdecy Contador (PMN) mostraram as condições de vários pontos que necessitam urgentemente de recapeamento. Os parlamentares também solicitaram posicionamento da Copasa em relação aos buracos que são abertos e não são tampados com asfalto de qualidade.

O vereador Ailton Village mostrou fotos sobre da avenida de Albuquerque, que necessita de reestruturação por conta de obras da Copasa. ''A Copasa vem trazendo muito prejuízo naquela região, quando não é um cano que estoura é um buraco diferente que eles abrem'', comentou Ailton que ainda pediu soluções imediatas.

O parlamentar Valdivino pediu atenção para a avenida Osmani Barbosa, local que segundo ele, vem acontecendo diversos acidentes, devido ao aparecimento de brita nas estradas, por conta de obras feitas pela Copasa. Destacou também a necessidade de recapeamento na Vila Guilhermina e outras localidades de nossa cidade.

Idelfonso reinvidou reforma na região conhecida como Riacho do Meio, pois o local se encontra em estado de “calamidade”. O parlamentar também pediu recapeamento na avenida Brasil, nas proximidades do Cemitério até o supermercado Villefort. ''Os buracos ficam cada dia mais expostos, devido a obras da Copasa, e até hoje nenhuma providência foi tomada'', defende o vereador.

Já o vereador Valdecy falou sobre requerimento enviado ao Executivo pedindo pavimentação asfáltica da rua Oito e a conclusão da rua Um – ambas no bairro Jardim Primavera. De acordo com Valdecy, o local encontra sem condições de transição, e precisa urgente de obras e atenção da administração.

O QUE DIZ A COPASA?

Em nota, a Copasa informou que diversas ações estão sendo realizadas para corrigir o  vazamentos em adutoras e poços. Como nas avenidas Rui de Albuquerque e Osmani Barbosa, onde foram substituídos mais de 2.500 metros de adutoras de diâmetro de 200 a 250 milímetros. A nota ainda ressalta que precisa substituir até janeiro de 2020 mais 800 metros para a conclusão.

Em relação aos buracos pela cidade, a Copasa explicou que devido ao período chuvoso e levando em consideração critérios técnicos de preparação da base necessária para aplicação da camada asfáltica, ocorreram atrasos na conclusão desta etapa. A Companhia ainda esclarece que não realiza operações de tapa buracos e, sim executa a reparação de sua rede ou ramal, ou outra estrutura, fazendo de imediato à recomposição asfáltica.

Quanto à fiscalização, a Copasa esclarece ainda que em decorrência do acúmulo de ordens de serviços geradas pela impossibilidade de conclusão dos serviços de recomposição de pavimento, no período chuvoso, foram intensificadas as ações de fiscalização perante as prestadoras de serviços contratadas pela Companhia.

Publicado em 18 de Dezembro de 2019.