Câmara debate possível cessão do prédio do CAS

Câmara debate possível cessão do prédio do CAS Ascom/Câmara

Centenas de pessoas participaram nesta quarta-feira (28/8), na Câmara Municipal de Montes Claros, de audiência pública para discutir a possível cessão do prédio do Centro de Capacitação dos Professores da Educação e Atendimento das Pessoas com Surdez (CAS). A ideia é que o local que hoje funciona o CAS seja cedido à Unimontes para ampliação da instituição, possibilidade que não agradou alunos e funcionários.

Para o Vereador Daniel Dias (PCdoB), idealizador da audiência, decisões como esta não podem ser tomadas sem discussões e um parecer de todos que prestam serviço e usufruem da instituição que atende não só Montes Claros, mas toda a região: “juntos podemos tratar com mais equidade desta possível cessão do prédio. Temos que respeitar a história e a luta de cada um”, destacou Daniel.

O representante dos pais de alunos do CAS, Pedro Julião Prates falou da indignação e da tristeza das famílias quando foi levantado a possibilidade de retirar o CAS de onde está: “tenho três filhos surdos, com muita luta e apoio do CAS, consegui formar os três que hoje são trabalhadores. Participei da luta para conseguir e estruturar a instituição”, destacou o senhor Pedro.

A representante dos servidores do CAS, Hélida Cristine Barros, apresentou em vídeo todo o trabalho do Centro. Segundo o centro, no primeiro semestre deste ano, cerca de 800 pessoas foram atendidas nos cursos oferecidos pela instituição – a expectativa é que nos próximos seis meses o número de atendimentos seja permanecido.

De acordo com o presidente do SindiUte, Geraldo da Costa, Minas Gerais conta com dois CAS, sendo um em Montes Claros e outro em Belo Horizonte. “Tirar o local que já é referência é um retrocesso. Temos sim que lutar para que esse prédio seja definitivamente do CAS”, destacou Geraldo.

Em nome da Unimontes, o pró-reitor de planejamento, gestão e finanças, Aloísio Afonso, informou que a universidade apenas recebeu a informação de que existe um estudo do espaço, mas que não existe nenhuma definição sobre a cessão do imóvel do CAS para a Universidade. Informou ainda que a instituição tem interesse em ser parceira do Centro de Capacitação dos Professores da Educação e Atendimento das Pessoas com Surdez na valorização do trabalho do CAS.

POVO FALA

“Penso que tirar a sede do CAS causa um desconforto e instabilidade não só dos educadores, mas também dos alunos e da comunidade. É preciso discutir formas de melhorar o serviço, mais apoio, mais assistência e não a mudança de um local que já é referência”, opinou o investigador da Polícia Civil, José Bonfim Caldeira Júnior, que ainda disse sobre o curso de libras que ele e a equipe fizeram para melhorar o atendimento à população.

“ O Centro é importante não só para os alunos, mas também para toda a comunidade. A população surda sofre muito por falta de interação da sociedade. É preciso olhar com mais amor para a classe e apoiar causas como esta”, ressaltou a cabeleireira e estudante de libras, Ezaudineia Pereira Freitas.


O CAS-MOC funiconana Rua São José, 567, Bairro Todos os Santos, no município de Montes Claros-MG. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, de 7 às 13 horas e de 14 às 20h.

Publicado em 29/08/2019